Inicia fevereiro e há silêncio na política de Osório em relação aos próximos passos dos partidos para tentar conquistar a prefeitura em 2020. A notícia mais importante é que o MDB irá realizar uma pesquisa em março para sondar a situação dos seus pré-candidatos a prefeito, algo que parece ser uma forma de sondar o terreno para possíveis alianças.
Martim Tressoldi (PSDB) é o único que até agora se disse futuro candidato a prefeito. É ex-militar do Exército e por isto apresenta-se como um nome bem cotado, já que os militares estão em alta junto ao eleitorado desde que o capitão da reserva Jair Bolsonaro (PSL) foi eleito presidente, assim como seu vice, o general reformado Hamilton Mourão, também do PSL.
O PDT, do prefeito reeleito Eduardo Abrahão, capitaliza a seu favor a aliança com o PP, o que sempre costuma ter grande influência nas eleições municipais. Só que neste momento as coisas não são tão simples assim para os trabalhistas, em razão da encorpada ação oposicionista que deve crescer nos próximos meses.
Um ponto favorável para o PDT é que consegue manter um governo com bom desempenho na maioria dos setores, contando ainda com a desunião da oposição, pois parte dela está remoendo fórmulas que envolvem conveniência e acomodação, o que por si só breca seu poder de persuasão junto à comunidade.