Jairo Jorge em campanha
Não bastasse ter ficado em quarto lugar na corrida pelo Palácio Piratini, Jairo Jorge (PDT) decidiu apoiar no segundo turno José Ivo Sartori (MDB). O ex-prefeito de Canoas realizou uma campanha a governador que jamais empolgou, o que foi percebido pelas principais lideranças pedetistas. Era de se esperar um desempenho melhor na Região Metropolitana, mas esta tem um quadro político complexo, com diversas rivalidades que se projetam na política local, gerando divisões e embates fortes. Neste contexto Jairo Jorge teve dificuldades para se mostrar como um administrador público, um prefeito, com trabalho realmente reconhecido. Seu governo em Canoas pegou dois anos de forte crise, gerando dificuldades para sua administração.
Politicamente Jairo Jorge sai bastante chamuscado deste pleito. Foi fragorosamente derrotado e depois passou a apoiar abertamente Sartori que passou a se denominar “Sartonaro”, estratégia infeliz da campanha do emedebista. Vale lembrar que Jairo veio do PT, um partido notoriamente de esquerda, para sentar praça no PDT. Agora a agremiação trabalhista tem um Frankenstein político, um morto-vivo do pós-pleito. O rescaldo trabalhista é de derrota, faltando lideranças que apontem um norte, em meio à ascensão do discurso de direita. O Governo Bolsonaro vem aí e os tucanos gaúchos estão prestes a pousar no Palácio Piratini. JJ precisa de uma ideologia para sobreviver.